LIVROS

COMPAIXÃO
É importante destacar que neste livro não tenho nenhuma pretensão de esgotar o assunto sobre o qual me debruço: a compaixão. Seria equivocado em demasia querer conceituar ou cientificar algo que entendo de forma muito especial, quase num plano metafísico, espiritual ou qualquer outra coisa que transcenda o entendimento humano.
A compaixão é um tema pouco abordado na filosofia. Talvez Arthur Schopenhauer tenha se debruçado com mais atenção para refletir sobre o assunto, considerando que ele se utilizou do budismo para respaldar seu pensamento. As religiões, ao longo da história, trataram o tema como uma das características fundamentais para alcançar o divino.
A minha proposta aqui é refletir sobre a compaixão dentro de uma perspectiva social, que transita pela cidadania, pela convivência social e pelo cotidiano das pessoas, e, fundamentalmente, perceber como ela nos absorve, sem muitas vezes termos consciência disso.
Ainda como proposta, trago na minha abordagem um desafio para o tempo presente. Muito se falou nas rodas das ciências humanas sobre resiliência, alteridade, empatia, altruísmo, sentimento de pertença, solidariedade e tantos outros conceitos, em como buscamos reconhecer o outro, o diferente de nós, aquele que muitas vezes é o nosso inferno, mas que também nos faz inferno de alguém. O desafio é: como percebemos e nos vemos diante da diferença?.
A resposta a essa questão não é simples, pois, dependendo de como você concebê-la, dirá tantas outras coisas sobre si mesmo. Por isso, não se trata apenas de uma pergunta, mas de um desafio para o tempo presente, considerando o esvaziamento das relações em qualquer natureza que em outros tempos, em que o espírito era mais companheiro do corpo, não seria tão angustiante.
Enfim, espero que durante a leitura você possa fazer um exercício crítico não somente do meu pensamento ou da minha escrita, o que muito me alegra, mas também de seus olhares, suas percepções e interpretações sobre a vida e tudo que dela advém. Desejo que você possa, ao término da última palavra, iniciar o seu texto. Um texto que vá além da palavra escrita ou da oralidade, que ultrapasse as suas atitudes, as suas ações e o seu comportamento perante tudo que o cerca, dando avivamento, presença e sentido.
UM AMOR EM MOVIMENTO
O livro "Um Amor em Movimento", é um romance filosófico, procurei na minha escrita explorar através de diálogos entre os protagonistas, reflexões sobre pertencimento, solidariedade, alteridade, resiliência, política, estado social de convivência, intolerância, tolerância, igualdade, e o maior e mais especial de todos os sentimentos: o Amor.
Tudo isso roteirizado por grandes pensadores, passando por Nietzsche, Hannah Arendt, Pablo Neruda, Voltaire, Aristóteles e outros.
Movimentar um sonho, uma causa, um ideal, ou um propósito de vida nos permite despertar para novas oportunidades, aflorando talentos, habilidades, dons e potenciais, nos dando confiança e coragem para seguir em frente.
O QUE TE MOVE
Se Movimentar para não ficar aprisionado a zona de conforto, é um dos grandes desafios em tempos modernos. Onde a abundância impera, certamente a visão de futuro fica mais comprometida, por isso se faz necessário nos movermos para ter propósitos, sonhos e esperança em dias melhores.
Saindo do estado conformista, que anula as possibilidades e nos imobiliza através do imediatismo. Ser protagonista é mais do que ser o ator principal de tudo aquilo que envolve a nossa vida, ser protagonista é colocar o coração no sofrimento do outro, renunciando a zona de conforto em função de quem precisa de nós.
Movimentar um sonho, uma causa, um ideal, ou um propósito de vida nos permite despertar para novas oportunidades, aflorando talentos, habilidades, dons e potenciais, nos dando confiança e coragem para seguir em frente.
Neste livro, te convido a se mover em busca de novos desafios, a ter atitudes que inspiram grandes transformações e o mais importante, que nos dê a certeza que podemos sim fazer e refazer novos caminhos em busca da nossa felicidade.
RENOVO: O PODER DE SE REINVENTAR está despertando nas pessoas o desejo de transformação, saindo da mesmice e das relações humanas que foram coisificadas pelo consumo. O livro aborda temas como Solidariedade como Avivamento, Cidadania como estado Público e não íntimo, Inconformismo social, protagonismo, alteridade, resiliência, dons, talentos e habilidades que todos temos a oferecer. Dentro de uma perspectiva totalizadora entre o Ser e o Ter, convido você para uma reflexão sobre Pertencimento Social, Vivemos do Meio ou Vivemos no Meio, o que nos inspira, o que nos move, o que nos faz reconhecer o outro como um igual.
Aprenda a Ser, aprenda a Ter e aprenda a Conviver dentro de um conceito integral e indissociável da existência, percorra através da filosofia, da sociologia e da teologia com um olhar voltado para o localismo, onde as estações de vivências e a historicidade social das pessoas é que possibilitam o Estado de Reversão social.
Em tempos de hegemonia das redes sociais, das relações instantâneas, virtuais e geralmente superficiais, da “Modernidade Líquida” no termo popularizado por Zygmunt Bauman, a identificação com o Outro que é igual a nós mesmos representa um enorme desafio. Estamos em tempos da humanidade desenraizada, com vínculos cortados. Neste contexto, o resgate do sentido do pertencimento é tarefa urgente. Pois esta é a proposta central do livro “A Arte de Pertencer – Os invisíveis do nosso século” (Editora Novas Ideias).

FACEBOOK COMMENTS WILL BE SHOWN ONLY WHEN YOUR SITE IS ONLINE

Compartilhe